Há riscos na indignação, e o principal é não sermos ouvidos

Data da publicação original:
.
Veiculado originalmente por:
.
especial para
Lab Jornalismo 2050®.
written to
Lab Journalism 2050®.
Imagem:
Camila Quintero Franco
Camila Quintero Franco
/
.
Image:
Camila Quintero Franco
Camila Quintero Franco
/
.

A indignação é um motor importante, embora eu chegue à conclusão pela vida prática. Quando estou diante de uma injustiça ou de uma desqualificação, fico puto da cara. É o “convitão” (DE ALMEIDA, Maku) para cair na posição existencial “menos-mais”, e sair jogando psicologicamente.

Embora a psicanálise e a comunicação política tenham alguma razoabilidade quanto aos temas do mal-estar, desilusão e formulação de ameaças, é na análise transacional que encontro o primeiro mapa para entender o que é a indignação. Minha intenção é nos desindignar um pouco.

A posição existencial “menos-mais”, descrita por Berne, tem a ver com o indivíduo que acha que está em prejuízo nas relações. “O outro ganha mais!”, “Mas é porque ele é mais bonito!”, “O trabalho pesado sempre fica comigo!”, e por aí vai. E se o outro é “mais”, então sou “menos”.

Pergunto: por que a gente “odeia” uma “ideologia” contrária ou a corrupção? Tudo bem, há vários erros possíveis. Diante de um flagrante equívoco dos outros, a gente faz o quê? Grita? Impõe violentamente? Ora, claro que não. E esse é o “problema” da indignação.

Indignados, pensamos estar com um passe-livre para a baixaria. E é aí que o “perseguidor” dos jogos psicólogos entra em cena, para “falar a verdade!”, “Mandar uma real!”, “Vocês vão ter que me engolir!”. Qual a chance de um “indignado” ser ouvido? Baixa. Bem baixa.

Pouco importa quanto a mensagem é importante, se ela não tem o jeito certo de chegar ao outro. Aliás, o “jeito certo” é o jeito que o outro vai entender. “Comunicação é o que o outro entende”.

Contra ou não o assunto a, elegeu como causa o assunto b, foi chamado a clarear o c? É possível e necessário. Por favor, não pare de participar. A gente pode falar sobre absolutamente tudo sem erguer a voz, nem fazer mal para os irmãos achando que estamos fazendo o bem.

Referências

DE AMEIDA, Maku. Aula de Formação 202 em Análise Transacional.

No items found.

Outras publicações

Back to Portuguese

Conteúdo licenciado sob
CC BY-NC-SA 4.0
Lab Educação 2050 Ltda
47.078.846/0001-08