O ex e o presidente representam nosso desejo de felicidade

Data da publicação original:
.
Veiculado originalmente por:
.
especial para
Lab Jornalismo 2050®.
written to
Lab Journalism 2050®.
Imagem:
Zachary Kadolph
Zachary Kadolph
/
.
Image:
Zachary Kadolph
Zachary Kadolph
/
.

Penso na “realização da meta”, no alcance do objeto desejado, e de como a psicanálise sugere que isso jamais é de modo completo — o que não é necessariamente ruim. Mas. Penso também que Lula e Bolsonaro são realizações tangentes, próximas da ideia de algo. E qual é a ideia?

Minha intuição diz que, bem no fundo, às vezes demasiadamente e inservivelmente no fundo, no geral, todos queremos ser felizes. A política, como efeito da cultura, tem a serventia clara de nos proteger das forças da natureza: furacões, inundações, aridez da fome. Passou disso?

A parte mais curiosa, a “farsa” que sucede a “tragédia”, é que o incesto, o canibalismo e o homicídio sequer deveriam estar em debate fora das cabeças primitivas de cada um, tratados com os requintes das tecnologias em psicologia. Mas um político come o outro, e vai por aí.

Nos últimos anos, vivemos a inflação de culturas artificiais: “sertanejo, aquela coisa abjeta”, como define o pesquisador Bruno Nichols, esquerda e direita, progressista ou conservador. Balela! A mais pura balela!

Um dos tipos mais naturais, sábios e inteligentes sempre é o pacifista. É no cara “em cima do muro” que o futuro se constrói. É do que “cultiva as próprias lavandas”, como escreve a professora Stella Siqueira Campos, que haverá um amanhã. E haverá um amanhã depois de outubro, de novo, e de novo.

Referências

No items found.

Outras publicações

Back to Portuguese

Conteúdo licenciado sob
CC BY-NC-SA 4.0
Lab Educação 2050 Ltda
47.078.846/0001-08